5 Recados para você, PAI

“Faz um bem enorme ao coração dos nossos filhos ouvir palavras de afirmação e de reafirmação do amor do pai”…. Sim, papais, este é um recado para vocês, e quem manda o aviso é Luciano Vilaça, autor do livro De Pai para Filho, que trata a paternidade de uma forma bem direta, realista e, sob o meu ponto de vista, verdadeira. Até já tomei a iniciativa de incluí-lo na ‘lista de livros obrigatórios para o marido ler’. Indico às mamães também, que podem compreender melhor o universo masculino e ajudá-los a estreitar o relacionamento com seus filhos.

O livro traz dicas muito valiosas, vale cada página! Aqui busquei abordar algumas delas, mas é apenas um gostinho da profundidade e reflexão que a leitura deste livro proporciona. Portanto, papais e mamães, a leitura do livro é indispensável, não deixem de ler!

1. Pai, não poupe tempo e palavras amorosas ao seu filho

É notório: nós, mulheres, temos muito mais facilidade e, vamos confessar, ‘necessidade’, de expor nossas emoções e sentimentos. Já os homens……. No entanto, Luciano bate na tecla de que é fundamental para o desenvolvimento saudável da criança que o pai reafirme o seu amor, pois isso dá ao filho um senso de segurança e estabilidade que o seguirá por toda a vida, além de contribuir tanto para torná-los mais dóceis e amáveis, quanto para prepará-los para as avalanches da vida. “… compartilhe mais intimidade com o seu filho. Procure saber o nome dos seus amigos, seus super-heróis, seus sonhos, suas preferências e seus temores”. Doar tempo, conversar, brincar, sair juntos são alguns dos quesitos básicos para que pai e filho estreitem o relacionamento. “Pais que ouvem os seus filhos, em geral, vão gerar filhos que obedecem aos seus pais e os ouvem”.

2. Pai, você precisa se amar, antes de mais nada

Sim, papai, você precisa se amar, se cuidar, se valorizar, e quanto mais saudável e respeitável for a imagem que você nutre de si próprio, mais profundo, ardente e intenso será o seu amor pela sua esposa e, por conseguinte, pelo seu filho.

3. Pai, assuma seu ‘novo’ papel

Luciano aponta como urgente a real necessidade de reavaliarmos o papel de pai, buscando adaptar melhor a vida dos homens, desde a melhor distribuição das tarefas a serem assumidas por cada sexo, passando pela legislação do trabalho e, especialmente, a educação. “Os pais e as instituições de ensino ainda não estão conscientes da necessidade de prepararem os nossos jovens para enfrentar a vida com todas as suas demandas e complexidades”. Para o autor, os pais estão mais preocupados com a formação acadêmica dos filhos do que capacitá-los a serem bons pais e bons maridos.

Esse novo papel paterno inclui também um ponto crucial (mulheres, vocês vão entender… rs): “Para o surgimento de um ‘novo pai’, é preciso buscar uma maior integração e a participação de todos nas tarefas domésticas. A casa que pretende ser um ninho e um abrigo deve procurar a cooperação de todos”. E mais, Luciano diz ainda que as casas que têm o privilégio de contar com uma empregada doméstica não devem deixar todas as tarefas por conta dela, o que não é nada sadio para os filhos, pois tiram o senso de responsabilidade dos pequenos.

4. Pai, construa e cultive o amor por seus filhos

Um ponto que me chamou a atenção é a distinção que o autor faz entre o amor da mãe e do pai pelos filhos. Para ele, diferente do amor incondicional que a mãe nutre pelo filho desde o ventre, o pai precisa aprender a amá-lo e alimentar este amor durante toda a vida. Não à toa, com mais frequência, vemos pais abandonarem seus filhos depois de uma separação do casamento ou, ainda, muito comum, é presenciarmos milhares de mães nas filas das portas dos presídios à espera do horário de visita. Luciano comenta que os pais tendem a se decepcionar com atitudes e comportamentos dos filhos que acabam o distanciando dos filhos. Já com as mães, isso raramente ocorrerá, fruto do amor incondicional que ela nutre pelo filho, amor este que ama sem exigir nada em troca.

5. Pai, não se distancie do seu filho, seu papel é fundamental para o desenvolvimento da criança

Anular o lugar ocupado pelo pai é danoso e traz sérios prejuízos à vida do filho. Geralmente esse desligamento ocorre após uma separação conturbada dos pais. Segundo Luciano, a situação piora quando o responsável pela criança, na maior parte das vezes, a mãe, de forma até inconsciente, dificulta o acesso da criança ao pai levando ao afastamento físico e afetivo, ao ponto de produzir na criança os mesmos sentimentos de repulsa que o responsável vivencia em relação ao ex-cônjuge. “A exclusão de um dos genitores traz implicações profundíssimas ao psiquismo da criança. Excluir a criança de um dos genitores implica uma espécie de amputação, uma anulação de parte da criança, posto que o genitor excluído é também parte de sua história… O pai e a mãe são imprescindíveis”. Para ele, é de extrema importância que essa mãe, ainda que separada do pai, mantenha o pai no discurso: “A maneira como a mãe se refere à figura do pai afeta não apenas o modo como a criança irá introjetar a imagem de seu próprio pai, mas também a representação que essa criança irá internalizar a respeito do que significa ser homem e ser pai”.

Verdades bíblicas como base das obras de Luciano Vilaça

Luciano Vilaça é formado em Direito e Psicologia, pós-graduado em Casal e Família, mestre em administração de empresas, é doutorando em Coaching, psicoterapeuta formado na área de família em situação de litígio e em estruturas psíquicas, e autor de vários livros, entre eles A Transmissão de um Legado: a função do pai e seus desdobramentos na conjugalidade do filho.

Luciano tem um currículo extenso, mas seu maior e melhor embasamento vêm de Deus. Cristão, Luciano parte da Palavra de Deus para desenvolver e discorrer suas ideias sobre relacionamento entre pais e filhos, educação, amor. O livro De Pai para Filho é provocador, estimulante, e nos abre os olhos para atitudes e comportamentos. As verdades encontradas neste livro, certamente, nos ajudam a buscar em Deus o amor, a fé e a esperança que precisamos alimentar como pais. Aqui, um trecho retirado do livro que exprime de forma sublime as correlações feitas por Luciano Vilaça entre pais e filhos: “Jesus é divinamente humano em sua plenitude e humanamente Deus em toda a sua beleza e plenitude. Jesus continua sendo o modelo e o arquétipo daquilo que eu e você devemos buscar e ser, como homem e como pessoa humana. Sua vida, sua ternura, seus afetos, seu cuidado especial com os fracos, sua sensibilidade ante às necessidades humanas, seus vínculos, suas amizades, suas relações, sua maneira de interagir com o mundo e com as pessoas, indiscutivelmente, revelaram uma dimensão materna no coração daquele que o Homem por excelência: Eis o homem!” (Jo 19.5).

Luciano Vilaça estará no 2º Eduque

Luciano é um dos preletores do 2º Eduque – Meu Filho, Meu Legado, e irá abordar o tema “Como ser um grande amigo para o seu filho: os limites entre a amizade e a paternidade/maternidade”.

O 2º Eduque é um evento sobre educação com o objetivo de estimular a reflexão e apresentar ferramentas para a complexa tarefa de educar filhos nos dias atuais. O evento será realizado dia 27/05 na Igreja Batista do Morumbi e contará também com a participação da Cris Poli (pedagoga, escritora e apresentadora do Programa “Super Nanny” do SBT) e Rivanildo Guedes (Pastor da Igreja Batista do Morumbi).

Deixe um comentário